Viagem: Itália (1ª parte) – Veneza

Era para ser um post só sobre a Itália, mas eu não consegui fazer isso. Porque visitamos lugares tão lindos que ficariam fotos e palavras demais. Então começo pelo início de nossa ida à Itália: Continuando a viagem (indo para a 4ª e última parte de nossa jornada), em Viena nós pegamos um trêm noturno para Veneza, uma viagem de 12 horas, onde dormimos lindamente esmagados na nossa cabine como numa lata de sardinhas. 🙂

Chegamos em Favaro Veneto, e pegamos um trenzinho que nos levou até bem próximo do nosso hotel, o Hotel Ducale. Não ficamos hospedados na ilha de Veneza porque era muito caro, e para os que dizem que somos ricos, ficamos neste hotel justamente por ser bem mais barato (um quarto para 4 pessoas custou R$ 257,40, dividido por 4 pessoas, R$ 64,35 a diária. E é em reais mesmo, não me enganei!). Estava chovendo, o que acabou nos desanimando um pouco, mas logo o tempo começou a dar uma limpada, e pegamos o ônibus rumo à Veneza (ônibus lotadasso, a propósito).

E aí, quando ônibus parou, eu simplesmente não podia acreditar que eu estava lá. Das cidades que eu tinha visitado, nenhuma eu tinha sonhado conhecer mais do que Veneza. E eu atravessei um canal, e olhei para aqueles prédios coloridos todos juntinhos, e atravessei mais outro canal, e mais outro, e mais outro, e era Veneza que estava debaixo dos meus pés. É praticamente impossível se localizar lá no meio daquelas ruazinhas, é um labirinto, mas o gostoso mesmo é se perder por lá. Fomos caminhando por ruas cheias, ruas vazias. Encontramos o Grande Canal por acaso, fizemos um passeio de gôndola, e depois encontramos um restaurante que servia uma pizza enorme por um preço muito bom (ah, as pizzas são as refeições mais baratas na Itália, e a bebida mais barata junto com os refrigerantes e água é o vinho).

Depois fomos até a praça San Marco, que é linda e cheia de turistas e homens malandros que querem te passar a perna, te oferecendo rosas como se fosse de graça e depois querendo cobrar do turista inocente (vi isso acontecendo do meu lado). Voltamos até o hotel para tomar banho e recarregar as baterias, e depois pegamos o ônibus de volta para Veneza.

 

Depois, fizemos tudo de novo, andamos por lá, jantamos uma macarronada deliciosa, nos perdemos de novo, e de novo, e quase perdemos o último ônibus de volta para Favaro Veneto. E Veneza acabou para nós, fomos embora para não voltar mais (pelo menos nessa viagem), e irmos em direção à Milão, para retornar à casa. Eu digo uma coisa à vocês, doeu ir embora de Veneza tendo ficado lá só um dia. Saí de lá querendo voltar, por isso digo: quando forem, passem pelo menos 2 dias inteiros lá, e aproveitem muito, porque é lindo e não, não é fedido como alguns mal amados dizem! 🙂

SalvarSalvar

  • Eugênia Pickina

    Laís, seu blog e trabalho são muito interessantes! Eu adoro fotografia, mas apenas como ócio (carpe diem). Desejo-lhe todo bem no seu caminho e muito sucesso sempre! Bj

    • Que legal que gostou Eugênia! Muito obrigada, fico muito feliz!
      Muito sucesso e alegria no seu caminho também, sempre! 🙂
      Beijo!